TESTE: Skechers GOrun 2 Ride

Já está no mercado o novo modelo da Skechers, que confere ainda mais conforto na passada.

A Skechers parece não dormir e não pára de lançar novos modelos para o mercado da corrida, sempre com evoluções e ofertas diferentes. Desta vez são os GOrun 2 Ride, uma segunda versão dos GOrun 2 que já testámos há alguns meses. As diferenças entre os dois modelos são, acima de tudo, ao nível do conforto.
 

PRIMEIRAS IMPRESSÕES

De facto, assim que se pega nos vos GOrun 2 Ride há uma sensação que se nota de imediato: são mais pesados. E confirma-se: 450 gramas no tamanho 41, um aumento de praticamente 100 gramas face ao modelo anterior, peso ganho graças ao favorecimento do conforto do pé. Essa é a segunda característica que se nota. O tecido é diferente, mais suave, o interior tem mais revestimento e a ponta do sapato é mais larga, de forma a proporcionar mais espaço e liberdade aos dedos dos pés. Mas no essencial, os Ride são uns verdadeiros Skechers. Os sensores da sola mantém-se, assim como a tecnologia MStrike, que previligia o impacto no solo com o meio do pé, ao invés do calcanhar.

PERFOMANCE

Quando calçamos os ténis, comprovamos o acréscimo de conforto e de amortecimento na sola. Nota-se que houve um reforço a todos os níveis e, de facto, já não se sentem todas as irregularidades do chão. O pé vai mais confortável e aconhegado, fruto de um interior mais suave. O impacto do pé no solo deve ser feito com o meio do pé, mas é claro o reforço no calcanhar, algo que vai ajudar na adaptação a um corredor menos habituado a este tipo de passada

 

VEREDICTO

Não há muito mais a dizer sobre os Skechers Gorun 2 Ride. Corremos cerca de 50 quilómetros com eles e só temos a dizer bem. Têm tudo o que bom já havia no modelo anterior, mas com o acréscimo de qualidade que os materiais mais suaves proporcionam ao pé. Com um preço convidativo, a rondar os 80 euros, são uma óptima opção para todos os corredores. Sim, porque estes Ride já não são apenas para os amantes do minimalismo. E saem daqui com nota máxima.

Comentar

comentários

Leave a comment

Your email address will not be published.


*